ARTIGOS

inicial » aqui tem cultura » artigos

Cultura é a alma de um povo

enviado por JORGE KUSTER JACOB

O Império Romano foi o maior império da antiguidade. A história afirma que a sua superioridade estava na grandiosidade do seu exército. Assim conquistava e dominava por séculos outros povos. Mas para dominar um povo, por menor expressão que este tenha, era necessário dominá-lo também culturalmente. Por isso os romanos imediatamente destruíam seus deuses, suas estátuas, sua religião, sua arquitetura, sua língua e impunham a sua ordem, seus deuses e seu idioma. Tentaram fazer isso inclusive com a cultura cristã. Mas o Cristianismo dos hebreus, inferior numérica, econômica e belicamente foi um grande movimento de resistência cultural mesmo custando à morte de seu mentor: Jesus Cristo. O que é o Cristianismo hoje?
 O exemplo mais recente de dominação está relacionado com os Estados Unidos que culturalmente, depois dos anos de 1980, vem dominando o mundo. E não foi preciso exército para impor sua dominação. Os meios de comunicação, especialmente "Hollywood", através do cinema popularizaram a língua inglesa, com ela, o heroísmo do americano, como se esse fosse o "mocinho" do mundo. Com isso, hoje não é só chique falar inglês, mas para se comunicar em qualquer parte do mundo é necessário saber falar inglês e ter dólar no bolso.
É através da cultura que dominamos ou somos dominados. Seguindo esse esquema norte-americano, aqui no Brasil, a televisão e o rádio usavam a música inglesa nos anos de 1980 para monopolizar a cultura vendendo um estilo de vida americano. Essa dominação cultural chegou a tal ponto que cantores brasileiros gravam músicas em inglês, tem o nome artístico inglês, e se dizem dos Estados Unidos para conquistar o público, pois ser brasileiro é ser caipira, atrasado, da periferia do mundo.
Segundo o sociólogo gaúcho Pedrinho Guareschi, a cultura é a alma de um povo. É aquilo que anima uma nação. Dá sentido a vida de um povo. Um povo sem cultura é um povo alienado, dominado e morto. Um povo sem identidade baseada na sua história não desenvolve, não tem raízes, não tem argumentação, não tem alma e é facilmente dominado por outro povo. A cultura eterniza um povo tornando-o resistente. A cultura é mais importante que o pão de cada dia. Sem cultura você não saberá nem produzir o pão. Terá que adquiri-lo. Cultura fortalece a liberdade, a auto-estima, a fé.  Cultura é tudo que fazemos. Quando você enfeita seu quarto com um quadro está fazendo cultura. Quando você consome uma comida local ou de fora você está tomando uma posição cultural. Cultura é tudo que curtimos. Mas um povo que tem consciência da sua história e prioriza esse curtir contribui para com o desenvolvimento local e sustentável.
As comunidades tradicionais no interior dessa grande nação chamada Brasil, ficaram esquecidas e invisíveis ao longo da história e ameaçadas pela globalização com a chegada da energia elétrica, geladeira, parabólica, internet. Mas as comunidades que se preparam com escolas e têm governantes locais comprometidos com seu verdadeiro papel histórico invertem essa ameaça. Usam o avanço tecnológico, a televisão e a internet para mostrar ao mundo a sua identidade cultural. Vendem a sua cultura. Viraram sujeitos da história, produtores e não só consumidores de cultura. Assim, a cultura não é só a melhor forma de resgatar a auto-estima, mas também gerar inclusão, renda e mais qualidade de vida a essas comunidades, por mais tradicionais que elas sejam. Uma cultura não pode dominar a outra, mas podem se integrar para juntos construir uma sociedade mais justa e mais humana.
Todo movimento cultural deve dialogar com a ética cristã. Isso significa combater a pobreza, não somente a econômica, mas principalmente a pobreza cultural, ou seja, dar sentido à vida na certeza de ter vivido e não somente existido, respeitando, inclusive o meio ambiente. Isso significa combater eventos como rodeio que lembra a arena romana, onde cristãos eram jogados aos leões para diversão, e o fanatismo religioso, entre outras festas que só levam o nosso pouco dinheiro em troca de milagres inexistentes. Fazer cultura é enfrentar, resistir permanentemente a esse "império romano" ainda hoje disfarçado de cordeiro. Fazer cultura é concretizar o conceito de libertação no mais profundo e eterno sentido cristão dessa palavra.
 JORGE KUSTER JACOB, Sociólogo, professor e Secretário Municipal de Cultura e Turismo de Vila Pavão - ES
voltar indicar matéria imprimir comunicar erro comentar